Noticias Noticias

 
17/01/2014
por E.Qi.Librium Herbs

VIDA SEXUAL na Medicina Tradicional ChinesaA MTC sempre enfatizou a importância da atividade sexual excessiva : neste artigo gostaria de chamar a sua atenção para dois fatores:

- A diferenciação entre homens e mulheres no que diz respeito à atividade sexual.

- A atividade sexual insuficiente como causa de doenças

Ao falar sobre a atividade sexual, os livros chineses nunca distinguiram entre homens e mulheres. Existem diferenças substanciais entre a fisiologia sexual de homens e mulheres pelo que a atividade sexual excessiva é uma causa menor de doença para as mulheres que para os homens devido à natureza de Tian Gui .

Tian Gui é a essência geradora que faz com que os homens e as mulheres sejam férteis . É mencionado no primeiro capítulo do Su Wen: " Quando a menina atinge 14 Tian Gui chega, o Ren Mai abre-se, o Chong Mai floresce , a menstruação começa e ela pode conceber . " Para os meninos, " quando um rapaz tem 16 , o Qi de Rim é forte, Tian Gui chega, o esperma é ejaculado , Yin e Yang estão em harmonia e pode fertilizar . " Por isso , Tian Gui é a essência que permite que as mulheres concebam e os homens fertilizem: nas mulheres é o óvulo e nos homens é o esperma . Tian Gui é uma manifestação direta do Jing de Rim . Nos homens , a perda do sémen , portanto, implica uma perda de Jing e, portanto, a ( muitas vezes) a atividade sexual excessiva pode diminuir o Jing, nas mulheres durante a atividade sexual , não há uma perda correspondente de Jing já que obviamente não perdem óvulos durante o ato e, portanto, não há perda de Jing .

Enquanto os livros chineseses mencionam a atividade sexual excessiva como causa da patologia, nunca mencionam uma atividade sexual insuficiente como uma causa possivel de patologia. Nem sempre isto foi assim, uma vez que durante dinastias todos os manuais de sexo, diziam especificamente que a atividade sexual era essencial para a saúde, tanto de homens como de mulheres. Na verdade o celibato era visto com alguma desconfiança (por exemplo no caso das monjes budistas).

Alguns terapeutas de M.T.C. consideravam a abstinencia e a frustração sexual como uma causa principal de stress emocional nas mulheres. O desejo sexual depende do Fogo Ministerial e de um apetite sexual saudável, a junção de ambos indica que este Fogo (fisiológico) é abundante. Quando o desejo sexual cresce, o Fogo Ministerial aviva-se e o Yang aumenta: o orgasmo é um desprendimento dessa energia Yang acumulada e, numa circunstância normal, é este desprendimento beneficioso de Yang-Qi que promove a livre circulação do Qi.   
O Fogo Ministerial também agita-se como consequência do aumento do desejo sexual afetando a Mente e mais especificamente o Coração e o Pericardio. O Coração está ligado ao Útero mediante o meridiano do Útero (Bao Mai) e nas mulheres, as contrações orgásmicas do Útero descarregam a energia Yang acumulada pelo Fogo Ministerial.

Quando o desejo sexual existe mas não tem saída com a atividade sexual e o orgasmo, o Fogo Ministerial pode tornar-se patológico, acumular-se e dar lugar a Calor de Sangue e Bloqueio de Qi no Jiao Inferior. Este Calor acumulado agitará o Fogo Ministerial mais ainda e perjudicará o Shen, ao passo que o Bloqueio de Qi no Jiao Inferior pode resultar em problemas ginecológicos como a dismenorreia.

Claro que, se o desejo sexual é inexistente, a ausência de atividade sexual não será causadora de patologia. Sendo assim, o factor crucial é a atitude mental e o desejo sexual.

No que diz respeito à frustração sexual, Chen Jia Yuan da dinastia Qing escreveu à cerca do desejo e da solidão de algumas mulheres de uma forma bastante observadora. Entre as causas emocionais da patologia distinguem-se "a preocupação e o pensamento" da "depressão". Básicamente considera a depressão, com o seu estancamento consequente, como producto da frustração emocional, sexual e também da solidão. Diz: "Nas mulheres... tais como viúvas, celibatárias, cervas e concubinas, o desejo sexual agita (a mente) por dentro mas não pode satisfazer o Coração. O corpo está restringido por fora e não se pode expandir com a mente (quer dizer que a mente anseia a satisfação sexual, mas o corpo nega-a). Isto causa o estancamento de Qi no Triplo Aquecedor e no peito; após um longo periodo de tempo existem sintomas extranhos tais como a sensação de frio e calor como se fosse malária mas não o é. É a depressão".

Ainda que considerações de acima derivaram da experiência clinica do Dr. Chen no tratamento de mulheres tais como servas, celibatárias budistas e concubinas, esta era uma experiência do contexto social da dinastia Qing. De qualquer forma, também é relevante nos nossos tempos uma vez que fala essencialmente sobre a frustração sexual e da solidão como confirma a sua referência a viúvas (na antiga China as viúvas eram relegadas a um segundo plano e raramente se voltavam a casar). Refere-se específicamente ao desejo sexual que agita o corpo mas que não encontra satisfação nem no Coração nem na Mente: à parte da frustração sexual, também se refere à frustração emocional e ao desejo de amar e de ser amada.

Assim, considerando a posição social das mulheres na China antiga e o habitual da frustração emocional antes apontada, não admira que o bloqueio de Qi ocupe um lugar tão central nas patologias das mulheres, sendo o estancamento emocional amiúde o resultado da frustração sexual, separação, perca e solidão: estas são as "iras" recorrentes nos livros de Medicina Chinesa.

A frustração sexual era uma causa comum de patologia especialmente a partir da dinastia Song em adiante já que os Confucionistas não viam com bons olhos a atividade sexual, considerando que a mesma se devia exercer em segredo e pensando assim que não devia existir nenhum tipo de mostra de afecto pública (como ainda hoje sucede na China). O secretismo da medicina e da sociedade chinesa é claramente um resultado não tanto da influência comunista, mas da influência Confucionista da dinastia Qing. Es importante compreender no entanto, que estas regras não implicavam de nenhuma forma que o sexo fosse um "pecado" e/ou que a mulher fosse a origem do "pecado" tal como se estabelece dentro do ponto de vista Cristão. A má vontade Confucionista àcerca do sexo era determinada principalmente pelo medo de que a promiscuidade pudesse interromper a sagrada vida da familia.

Por Giovanni Maciocia